O Reino dos Devas

“Eu creio em deus... Que se revela na harmonia
ordenada do universo. eu creio que a inteligência
está manifesta em toda a natureza. A base do
trabalho científico é a convicção de que o mundo
é uma entidade ordenada e compreensível e não
uma coisa ao acaso”. EINSTEIN, Albert

O Reino dos Devas

Iniciaremos esta palestra com palavras de grandes pensadores e cientistas deste século.

“O mundo material, que tem sido tomado por um mundo de mecanismo cego, é em realidade um mundo Espiritual visto muito parcial e imperfeitamente. O único e real mundo é o Espiritual... A verdade é que nem é a Matéria, nem a Força, nem qualquer coisa física, mas a Mente, personalidade, constitui o fato central do Universo”. (J. B. S Haldane).

“Algo desconhecido está fazendo não sabemos o que - isto é o que alcança a nossa teoria... A física moderna eliminou a noção de substância... A mente é a primeira e a mais imediata coisa em nossa experiência... Encaro a Consciência como fundamental. Encaro a matéria como derivação da consciência”... “Já se foi o velho ateísmo... A religião pertence ao reino do Espírito e da Mente, e não pode ser abalada”. - Sir Arthur Eddington ( cientista Inglês )

“A mais estreita aproximação que conseguimos da Causa Final em nossa análise de Matéria e de Energia, indica que a Realidade Universal é a Mente”. - Kirtley F Mather, geólogo, Hovard.

Poderíamos citar outros pensadores modernos, cientista de elevado nível de conhecimento que têm mostrado com precisão que tudo é Consciência e que ela sempre se manifesta, de uma forma ou de outra, em todas as coisas existentes.

O ocultismo, as religiões orientais, a Cabala e várias outras doutrinas iniciáticas são unânimes em admitir a existência de sete níveis de manifestação da consciência no universo, desde a origem até o mundo denso.

Em palestras anteriores falamos dos Reinos da Natureza que constituem o Mundo dos Elementais e agora vamos estender um tanto mais comentando a respeito do Mundo dos Devas.

Começaremos por descrever algumas características gerais dos Devas para que eles possam ser identificados pelos sensitivos e mesmo para facilitar as invocações dévicas.

O termo Deva tem origem oriental e define aquilo que genericamente as religiões ocidentais chamam de Anjos. A palavra Anjo é de em origem grega aggelos cujo significado é mensageiro (intermediário). Por sua vez a palavra Devas vem da raiz sânscrito div (=brilhar)

Os devas são as expressões de consciência que dá forma e que põem a substancia em ação.

“Os devas detêm a ideia arquetípica de todas as formas, não apenas da forma humana” Dorothy MacLean”.

Diz Paulo: “Pela fé entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê foi feito do que é aparente”. Hebreus, 11-3.

Os Devas estão ligados ao número 6 e, como veremos a seguir, classificam-se em três grupos, Portanto 6-6-6. Esse é um dos aspectos desse misterioso número mencionado no Apocalipse.

PRIMEIRO GRUPO: Inclui os Devas responsáveis pela manifestação da vida na própria matéria e também da inteligência que anima as formas de tudo quanto existe no plano físico.

Tibetano diz que e o maior parte dos ensinamentos sobre os métodos de ação dos Devas deste grupo devem permanecer velados ainda por muito tempo pois se viessem a ser divulgados verdadeiras catástrofes no desenvolvimento espiritual da humanidade poderiam ocorrer. Somente Adeptos Maiores, os Grandes Mestres, podem ter acesso a tais conhecimentos.

Diz o Tibetano “Se forem divulgados muitas pessoas poderiam ter acesso ao estudo da natureza, da coloração, tonalidade desses Devas e assim conhecer a maneira como atuam sobre a natureza. Isto revelaria à humanidade despreparada a coloração e a tonalidade do Logus Planetário e isto poderia conduzir os homens a domínios excessivamente perigosos, colocando em suas mãos um poder que eles ainda não saberiam utilizar com prudência e discernimento”.

Contudo os sinceros discípulos do Tibetano, e de outros Mestres, quando chegam a certo grau de desenvolvimento recebem algumas pistas que lhes permitem dar início a esse nível de estudo. Nenhum deles que tenhamos conhecimento, recebeu o conhecimento direto, recebem apenas algumas “dicas” se tiverem o devido amadurecimento espiritual e o merecimento pessoal. Este merecimento pessoa diz respeito à dedicação aos trabalhos do desenvolvimento espiritual pessoal e dos semelhantes. São os que dedicam bastante tempo de suas vidas à causa espiritual da humanidade, que já têm no coração o verdadeiro sentimento e desejo de servir, e que não exigem coisa alguma deseja em troca da dedicação ao trabalho da Senda. São os que trabalham desinteressadamente pelo bem estar dos seres da natureza, que sente o desejo de servir aos seus semelhantes pelo simples desejo de fazê-lo, os que renunciam aos prazeres do mundo em troca do desenvolvimento espiritual. Estes sim, recebem as pistas que lhes permitem atingir conhecimentos relativos aos segredos dos mundos dévicos. Apenas estes podem receber informações diretas sobre esses Devas, de como trabalhar com eles, e receber destes elevados conhecimentos através de iniciações diversas, mas O DOMÍNIO pleno deles cabe apenas aos Avatares.

Os Devas do Primeiro Grupo têm como uma das principais funções a atuação ao nível atômico da constituição da matéria, portanto tudo que é material depende deles. São eles que administram a condução da Força Vital nos planos da matéria atômica.

No sentido cósmico este primeiro grupo é o mais importante de todos.

Dominar o conhecimento global dos mundos dévicos somente é dado a um Avatar (nível imediatamente superior ao nível dévico), pois isto equivale a possibilidade de ter domínio sobre as forças inconcebíveis inerentes à matéria; algo muito além de tudo o que a ciência fala a respeito da energia nuclear. Seria simplesmente a capacidade de desmaterializar e materializar coisas. Claro nisto está o perigo pois a capacidade de realizar tamanha façanha somente cabe a um Avatar, pois que o desprendimento de energia seria catastrófico. Isto foi o que aconteceu na Atlântida.

Como já estudamos em uma palestra bem anterior, a matéria pode ser transformada, pode ser transmudada e isto pode ocorrer por duas vias. Uma é brutal, violenta, até mesmo catastrófica, é aquela praticada pela ciência materialista conseguida através de reações nucleares. A outra é suave, lenta e que a natureza nos mostra tantas vezes operando nos reinos animal e vegetal.

Já falamos em uma palestra bem anterior que uma ave mesmo quando totalmente privada de cálcio (elemento químico com que é formado a casca do ovo) continua a botar ovos com casca de cálcio, e isto desde que na dieta dela se aumentando a ingestão de potássio. Assim sendo, fica claro que no organismo uma substância pode sofrer transmutação por uma via totalmente diferente de bombardeios de partículas, pela via quente usada pela ciência. Naquela palestra citamos muitos exemplos de transmutações por uma via fria de transmutação que ocorre na natureza.

O Adepto aprende a agir pela via fria, aprende como transmudar não apenas as coisas materiais como também a natureza espiritual dos seres. Atinge o nível de domínio das leis ocultas que regem a Alquimia, o que lhe confere o poder de transformar metais comuns em metais nobres. Só isto mostra o poder que uma pessoa detentora desse nível de conhecimento poderia exercer sobre o mundo, por isto somente é ensinado àquele que atingiu um elevado grau de desenvolvimento espiritual.

Mas no universo é possível a pessoa descobrir uma lei sem ser através de iniciações ou algo semelhante. O outro lado da natureza também ensina, também têm seus seguidores, especialmente visando à desestruturação das coisas. Assim sendo uma pessoa pode chegar a descobrir os mistérios da alquimia e tantos outros mesmo não sendo pelo lado positivo, e o que é interessante pode contar com legiões de Elementais auxiliando-o desde que estes são consciências sem discernimento e que podem ser comandados. Citam-se tanto gênios do mal quanto gênios do bem, na literatura especializada.

Todo verdadeiro alquimista deve conhecer bem os Elementais do Fogo, os Devas do Fogo especialmente os deste Primeiro Grupo.

SEGUNDO GRUPO inclui os denominados Devas das Sombras. Estes respondem pelos movimentos em todos os planos e trabalham diretamente a nível astral, no nível etérico. Trabalham sobre os seres a partir da matéria astral. Vimos que os do Primeiro Grupo trabalham a nível atômico, nível físico, canalizando a consciência na estruturação da matéria. De certa forma podemos dizer que são eles que constroem o corpo etérico do homem, sem o qual não poderia existir o corpo físico.

É fácil perceber que os conhecimentos dévicos deste nível não são tão perigosos quanto os do primeiro grupo em nível de catástrofes pois não desprenderiam energia, não haveria desagregação da matéria, mas apenas perturbação na constituição dos corpos, podendo surgir formas biológicas novas e inesperadas.

Queremos mencionar a existência de um subgrupo cujos Devas denominam-se Guardiões do Rito porque são eles que respondem pelos processos iniciáticos. Também todos os processos mágicos da natureza estão diretamente ligados a eles.

As leis e os fenômenos inerentes à eletricidade, ao magnetismo (físico e animal) e à estruturação da aura dos seres são controladas por um dos subgrupos, cujos Devas são denominados de Agni¬chaitans. Estes também respondem pelos processos ligados ao Kundalini (serpente ígnea).

TERCEIRO GRUPO: Inclui os Devas responsáveis pelas estruturações geológicas, distribuições dos continentes, estruturações da crosta da terra através do trabalho vulcânico. Comandam os fogos interiores do planeta efetivando as transformações, que ao nível do fogo, quer ao nível do ar ou da água. Toda a configuração do aspecto planetário é devido ao vulcanismo, aos tremores de terra, aos movimentos das placas tectônicas, a atividade das águas e dos ventos. Tudo isto é comandado pelos Devas do terceiro grupo.

Dentro deste grupo situamos uma categoria de Devas do Fogo denominado de agnichaitans cujo trabalho diz respeito às construções das formas minerais por meio do fogo ; são os alquimistas das regiões inferiores, e o contacto com eles e o conhecimento das cores e das palavras permitem os alquimistas agirem sobre os minerais, promoverem tanto a alquimia mineral quanto a espiritual (transformação pessoal).

O comando dos segredos da Alquimia pertence a esse nível de Devas que podem pelo merecimento ensina-los a algumas pessoas.

Existem algumas classificações que levam em consideração outras características dos Devas. Uma destas classificações levam em conta o elemento cor.

PRIMEIRA CATEGORIA: Devas Violeta. Estão associados com o duplo etérico de tudo o que existe no plano físico.

SEGUNDA CATEGORIA : Devas Verdes. Estão associados ao reino vegetal. Também são os Devas dessa categoria aqueles que protegem os lugares magnéticos da terra, reservam e zelam pelos espaços que devem permanecer inviolados; dos lugares sagrados da terra.

São os protetores especialmente da vida vegetal, sendo assim As Fadas das plantas, os Elfos, as Epígeas, Dríades, Hamadríades, Durdales, Náápeas, etc. obedecem a suas ordens.

São os Devas da Segunda Categoria que defendem os seres em geral, e a pessoa humana em particular, contra toda espécie de degradações.

TERCEIRA CATEGORIA: Os Devas Brancos do Ar e da Água. Dirigem os fenômenos atmosféricos, dominam os mares, os rios, os regatos e as nascentes. A eles estão submissos os Elementais do Ar: Silfos, Sílfides, Silvestres, Urânios, etc. E os da água: Ondinas, Ninfas, Sereias, Tritões, Náiades, Oceânides (Oceânicas), Nereides, Potâmides, Oríades, Limoníades, etc.

São alguns Devas desta categoria que respondem pelos fenômenos elétricos em geral e que atuam conjuntamente com alguns Devas do Fogo nas manifestações dos fenômenos elétricos da atmosfera, como raios.

Os Devas também podem ser classificados tendo-se por base os cinco elementos. Assim temos os Devas do Fogo, da Terra, da água, do Ar etc. Muitas vezes esses Devas são chamados de Alquimistas Elementais.

-------------------------

Notas explicativas:
1- Já citamos esse Grande Mestre em outras palestras. Agora queremos prevenir que já existem alguns livros vendidos em livrarias que traduzem os ensinos desse Mestre da Grande Fraternidade Branca, mas, vale salientar que em alguns deles existem adulterações do sentido de alguns dos ensinamentos. Algumas deformações são decorrentes das traduções das obras de uma língua para outras; algumas vezes da própria limitação de captação psíquica dos autores; e o que é mais sério, de intenções malévolas através da mão humana indesejável de adeptos da Conjura do silêncio que ainda se faz presente atuando na terra bloqueando a divulgação de princípios que vêm facilitar o desenvolvimento espiritual dos seres aqui encarnados. Assim sendo é necessário que se tenha conhecimento da origem das publicações para que não se venha a ter ideias deformadas sobre importantes conhecimentos.
2- Algumas doutrinas orientais dão nomes específicos para cada grupo, mas são palavras que não têm sentido algum para os ocidentais. Usar ou não tais nomes exige um tanto de memória sem que disto advenha vantagem alguma, assim sendo apenas os mencionamos por grupos. O primeiro é o grupo mais elevado dos três e no ocidente muitas vezes é citado simplesmente como Grupo A.
3- Assim como os reis dos Elementais são Devas os reis dos Devas, mesmo que muitos autores cite-os como Devas, na realidade são Avatares.( Os Avatares situam-se um nível acima do mundo dévico mais elevado). O Rei de um determinado nível sempre pertence a um nível imediatamente superior.
4- A catástrofe da Atlântida ocorreu por um processo que envolveu a energia VRIL inerente aos conhecimentos dévicos. Eles usaram cristais especiais cujo domínio pertence aos Devas do Terceiro Grupo.
5- Geralmente nessa missão eles trabalham em conjunto com uma classe especial de Devas da terra.
6- Os Índios têm o trovão como um Deus, na realidade eles têm uma parcela de razão pois não existem raios e nem trovões sem a participação de determinados Devas.