Os Egrégoras

     Mesmo no campo místico temos que procurar as leis e os princípios que regem os fenômenos, pois o Poder Superior rege tudo por meio de leis e não por determinações. É verdade que em níveis superiores de consciência surgem coisas absurdas para a razão comum, mas se assim julgamos é tão somente por desconhecermos as leis presentes naqueles níveis.

     Temos afirmado seguidamente que esse universo – Mundo Imanente – tem sua estrutura essencialmente baseada na Mecânica Ondulatória, pois tudo o que existe e se manifesta, de alguma forma o faz  mediante as leis que regem as vibrações. Tudo pode ser entendido e explicado mediante um esquema universal que é a “Árvore da Vida”  e as leis da Mecânica Ondulatória.

     As ondas vibratórias podem se interferirem mutuamente, podem se somarem, ou podem se subtraírem anulando-se total ou parcialmente. Podem se somar nas cristas ou nos vales[1] aumentado quer a positividade quer a negatividade. Quando duas ondas se somam em crista aumentam a positividade, quando se somam nos pontos mais baixos das curvas (vales) elas aumentam a negatividade. Na realidade quando duas ondas  se interferem elas  se somam algebricamente podendo disto advir muitos  valores para a resultante.

     Um "mundo" só interfere no outro mediante as leis das vibrações, é preciso que haja ressonância entre eles. Por isto somente  quando uma pessoa num determinado momento consegue elevar a sua vibração é que pode  ter percepção dos mundos superiores ao seu. Somente pela pureza é que se pode ter acesso ao mundo Superior, ao Astral Superior.

     A conduta de vida sadia é importante, pois permite a ampliação da vibração pessoal, e assim a possibilidade da pessoa se guarnecer contra as coisas nefastas do universo. Melhorando, ampliando a vibração ocorre à possibilidade de  sintonizar os planos mais elevados da existência, ao mesmo tempo em que a pessoa se isola das coisas negativas. Esse isolamento decorre da não sintonização, do não estabelecimento de  harmonia vibratória com as coisas negativas.

     Os 4 mundos citados pela Cabala não são delimitações de espaço e sim delimitações vibratórias. Todos os 4 mundos estão em cada ponto do Universo apenas que cada um ocupa uma faixa vibratória própria e a passagem da mente de um para outro desses mundos só se faz pela adequação de freqüência, de modo tal que haja ressonâncias recíprocas.

     Pela sintonia harmônica é possível a pessoa trazer forças poderosas para si ao nível do plano material e isto somente pode ser feito pelo se aumento da vibração pessoal. Como existe uma propriedade de vibrações se adicionarem algebricamente é possível então cada vez em maior intensidade aumentar a amplitude da vibração individual. Isto é o que resulta de práticas místicas, entre elas a oração e a meditação. A vibração, portanto, pode ser rebaixada ou ampliada através de práticas místicas. Pode ser ampliado na crista positiva ou na negativa e assim sendo tanto a negatividade quanto a positividade pode ser ampliada.

Tudo quanto ocorre no Universo, de alguma forma, fica gravado e isto faz com que exista um registro de todos os eventos e que vem sendo ampliado constantemente. Pode ser ampliado tanto no que diz respeito às coisas negativas quanto às positivas. Assim, a somatória das vibrações de um número muito grande de mentes vai gerando uma força enorme, um poder que de certa forma pode agir como se fosse consciente. Isto é o que significa uma Egrégora.

     Na realidade um egrégora não é uma coisa consciente, mas a mente pode sintonizar aquela força e agir segundo o que estiver contido nela. Quando a pessoa sintoniza o registro e age é como se ela desse vida à egrégora, lhe desse a capacidade de agir como se fosse uma forma de consciência.

     Uma Egrégora é nada mais do que um registro de um nível de vibração. Tudo quanto estiver vibrando naquela freqüência vai se somando, vai se ampliando através dos tempos e construindo um registro enorme, que pode ser acessado pela mente que entre em sintonia.

     Para um bom entendimento vamos exemplificar praticamente o que seja uma Egrégora. Consideremos o carnaval, festa pagã, que existe há milênios sob diferentes formas. A sua origem nunca foi positiva. Desde o seu surgimento se originou um registro das vibrações correspondentes, dos objetivos das pessoas que nele se envolviam. Então, ao se ligar ao carnaval a pessoa fica a mercê da egrégora do carnaval, pois entra em sintonia com o registro de tudo que está ligado àquela festa. Por sua vez as atitudes das pessoas envolvidas na força daquele egrégora passam a contribuir para aumentá-lo. Tudo o que foi feito em carnavais passados ficou registrado como uma. Assim a egrégora vai crescendo assustadoramente e cada vez mais vai se tornando imenso. Quando uma pessoa se liga àquela festa pagã entra em sintonia com a egrégora, harmoniza as suas vibrações com a do egrégora e assim vai dispor de todos os registros nele existentes. Por isto a pessoa se torna sujeita a levar para si todas as aberrações de conduta possíveis, a se envolver com crimes e muitas coisas hediondas.

     O universo está repleto de egrégoras das mais diversas naturezas. Como uma egrégora é uma forma de registro de eventos, então podemos entender que o numero desses registros organizados como egrégora é imenso. Grosso modo, podemos comparar uma egrégora com estações radiofônicas, com programas de informática que podem ser consultados e usados a qualquer momento.   

     Uma Egrégora é algo bem real, é o registro no tempo dos acontecimentos de um mesmo nível de vibração. Resultam da soma de amplitude das vibrações ligadas a algo de uma mesma natureza.

     Existem Egrégoras tanto negativos quanto positivos. As coisas boas, os atos positivos ao serem registrados compõem egrégoras benéficos. Neste caso é bom a pessoa entrar em sintonia com ele. É isto o que acontece quando pensamos, estudamos, analisamos, meditamos, oramos, etc. dentro do bem. Dessa maneira se podem colher os melhores frutos para nossas existências. É uma maravilhosa guarnição. Uma Egrégora assim, com certeza, constitui-se um "protetor".

     Cada religião, cada doutrina, cada ciência, cada arte, cada filosofia por certo acaba por gerar um egrégora próprio. Todo aquele que participar daquela maneira de pensar e de agir, automaticamente se incorpora àquele egrégora.

     Pelo que dissemos acima é fácil se entender a razão pela qual, consciente ou inconscientemente, desde a mais remota Antigüidade, houve legiões de demônios e de deuses. Há citações de deuses da plantação, deuses da guerra, deuses das flores, dos pomares, enfim, deuses das mais diversas profissões. O panteão da humanidade sempre esteve e ainda está povoado de deuses, que na realidade são os Egrégoras.

     A maioria das pessoas tem dificuldades em compreender como povos antigos, muitos deles filosoficamente avançados como os Gregos, tinham tantos deuses em seu panteão. Os povos de todos os lugares e épocas tiveram deuses e mais deuses. Não é fácil se entender como um povo culto aceitava isso. Na realidade aqueles deuses existem sob a forma de egrégoras desde que a pessoa entre em sintonia com aquele tipo de condição cuja vibração é a de um egrégora ele certamente estará sujeito a agir de conformidade com ele. Na verdade é um registro, assim como um programa de um computador é um programa, mas que pode desenvolver uma ação, assim também uma ação pode ser desenvolvida por uma pessoa segundo o registro de um egrégora.

     Existem inúmeras Egrégoras adormecidos, isto é que não estão mais sendo evocados, mas que continuam "vivos", razão pela qual eles podem agir a qualquer momento, bastando para isto que alguém entre em sintonia com eles e façam aquilo que nele está contido. Em conseqüência disso, na vida é muito importante o posicionamento mental de uma pessoa, assim como o agir e o falar, porque tudo isto se manifesta vibratoriamente e a pessoa com certeza através de cada pensamento, palavra ou ato permanentemente está sujeita a se ligar a alguma egrégora existente ficando à sua mercê; assim como pode estar dando surgimento a algum novo. 

     Os pensamentos elevados permitem o estabelecimento de sintonia com as coisas elevadas, afasta a pessoa do mundo inferior de Assiah, até que um dia ela possa pela purificação completa chegar a merecer o mundo de Beriah, e quando todos se purificarem, e se cientificarem chegarem ao UM no mundo de Azilut.

 

 

 

 

[1] Vide Tema 0.037 - As bases físicas do Misticismo

© 2016 José Laércio do Egito. Criado e mantido por Filipe Lima.