“Não o verbo, não a música do verbo, mas só o sentimento forma o êxtase do iluminado”.

Introdução ao Estudo do Princípio de Causa e Efeito

 

Temos falado que o TUDO veio do UM e que tudo ao UM retornará constituindo-se um Ritmo de grandeza incomensurável, entre muitos outros existentes na natureza.

           

O TUDO começou do NADA, ou  como preferem dizer os físicos quânticos da atualidade: “tudo surgiu do vazio quântico”.

           

Em nossas palestras usamos freqüentemente o termo MA para indicar o NADA  ( o imanifestável) que corresponde exatamente àquilo que a ciência atual denomina  “Vazio Quântico”.

           

O biólogo Henri Laborit, malgrado o seu caráter materialista pragmático, já chega a dizer: “O vazio está cheio de alguma coisa que não é matéria ”. Muitos físicos da atualidade afirmam que no “vazio / nada” há “informação”, que nele já existe uma ordem implícita. Segundo o físico David Bohm a matéria está implícita no NADA: No vazio há a pré-forma da forma; há o “molde invisível do molde visível" das coisas constitutivas da criação.

           

A ciência vem progredindo bem nesse campo, ela está aproximando-se do pensamento místico, pois já fala do NADA como sendo algo.

           

Temos mostrado aquilo que os místicos sempre afirmaram; existe um infinito constituído pelo NADA, pela imanifestabilidade, que é um dos três atributos da Consciência Cósmica.

           

Tudo aquilo que existe como manifestação um dia fez parte daquele NADA ( para a  concepção humana), de alguma forma, mesmo como uma idéia na MENTE CÓSMICA. Sendo assim, tudo o que existe pré-existiu e tudo o que venha a existir já existe. Por isso podemos afirmar: tudo o que existe teve uma causa eterna.

 

“TODA CAUSA TEM SEU EFEITO E TODO EFEITO TEM SUA CAUSA”.

           

Isso vem em concordância com o que dizem alguns físicos quânticos: “No vazio (NADA) há informação”. Pergunta-se: que informação? - O modelo de tudo quanto possa existir, evidentemente. Isso está perfeitamente de acordo com o que nos vem ensinando Hermes Trimesgistro, quando diz:

 

 “Toda Causa tem seu Efeito; todo Efeito tem sua Causa; todas as coisas acontecem  de acordo com a Lei; o Acaso é simplesmente um nome dado à uma Lei não reconhecida; existem muitos planos de causalidade, mas NADA escapa à Lei”. O Caibalion.

           

As pesquisas mais atualizadas no campo da Física Quântica vêm mostrando que há alguma coisa muito poderosa no NADA dando origem ao Todo. Isso tem levado vários cientistas quânticos à admissão de uma Mente Cósmica,  ou como o maior físico da atualidade Stephen Hawking já chega a falar -“Mente de Deus”- para justificar o comportamento da matéria.

           

Os místicos afirmam que tudo existe na Consciência Cósmica e tem origem na Mente Cósmica, e isso é o mesmo que diz o físico David Bohm ar falar da existência de uma  “Ordem Implícita”.

           

A matéria está implícita no NADA, “no vazio há a pré-forma da forma", há o "modelo invisível do molde visível" - que somos nós e as coisas.

           

Aquilo que chamam de NADA, na verdade, não é o vazio absoluto - é algo - embora seja de uma forma imanifesta. No momento em que se manifesta deixa de ser Nada  para ser algo, no momento em que MA vibra há um estado de criação e algo surge.

           

Todos os termos que possamos utilizar não se prestam para descrever o NADA, tudo o que podemos conceber, não pode defini-lo. Por um lado, não é a existência e, por outro, também não pode ser considerado a inexistência. O máximo que podemos dizer é que não é a inexistência propriamente, mas  sim a imanifestabilidade.

           

As leis da natureza não se aplicam ao NADA, por isso nenhuma concepção se pode ter a respeito dele; apenas que tudo preexiste nele, mas de maneira que transcende ao entendimento humano. O nível de entendimento relativo não atende ao Absoluto.

           

No NADA não existem leis manifestas, mas ao mesmo tempo todas elas estão presentes de uma forma implícita.

           

Ao  nível do NADA não existem  leis em operação, nem mesmo existe o QUERER que pode se transformar em qualquer lei, pois não pode existir Querer onde não existam coisas para serem desejadas.

           

No nível do Absoluto não existem leis em ação, isso só ocorre a partir da manifestação, a partir de  Ayin, Ayin Sof, e Ayin Sof Eor, e Kether [1], ao nível  da creação primordial é que surgem as três primeiras leis cósmicas e, conseqüentemente, os  três primeiros níveis de complexidade.

           

Ayin é o Transcendente que está além da existência, é o  NADA. Nele não há lei alguma, embora nele estejam contidas todas as leis que regem o Universo. Ayin está além da existência, plenamente imanifesto, por isso significa coisa alguma. Só se manifesta através da Creação. Não está acima e nem abaixo, não tem localização, está fora do espaço, mas ao mesmo tempo contém o espaço; não existe em tempo algum, mas inerente a ele há o próprio tempo.  É o Absoluto Imanifesto.

           

Nele não existe lei que O limite por ser Ele a própria Lei Essencial, e por isso está isento de qualquer nível de complexidade, não detenta qualquer nível de dificuldade, por isso é a Simplicidade Absoluta e ,conseqüentemente, também é a Humildade Absoluta. Como decorrência, tudo Lhe é possível sem que haja quaisquer limitações, constituindo-se assim o Poder Absoluto. A causa primeira de tudo, o Foco de onde tudo se irradia: Querer Absoluto. É Incontido, Imanifesto, Inefável, Omnipotente, Omnipresente, Omnisciente. Por tudo isso tem que ser considerado “O PODER CÓSMICO ABSOLUTO”.

 

O NADA É A CAUSA PRIMEIRA DE TUDO E EFEITO DE COISA ALGUMA

 

En Sof é o Todo Absoluto,  é efeito do Querer de Ayin,  e ao mesmo tempo é causa de Em Sof Eor ( Em Sof Aur). Nele existe só uma lei, o que determina um só nível de limitação, um só nível de complexidade, de dificuldades.

           

En Sof Aur, a Luz Primordial é o efeito de En Sof e a causa de Kether. Duas leis, dois níveis de complexidade.

           

Kether, a Creação Primordial, causa de tudo quanto existe dentro da creação, aquilo que é inerente a todas as coisas.

           

Nesse nível começa o manifestável, e surge a manifestação trina[2] e como naquele nível já existem leis manifestas, conseqüentemente, pode haver transgressões às leis e como conseqüência dificuldades resultantes.

           

Em nível de Creação originaram-se os  4 mundos mencionados pela Cabala. ( Vide fig. l ). A Cabala diz que no Universo existem  4 mundos[3]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   Fig. 1

          

Dentro do que podemos revelar: Cada “mundo” ( nível )  é sempre a causa do seguinte e por sua vez é  efeito do anterior. Assim, sucessivamente, as leis duplicam-se ocasionando níveis de complexidade das coisas,  dificuldades de atuação  bem como  possibilidades de erros e de desobediências.

           

Do que  afirmamos decorre: Toda lei tem uma causa e aquela é causa de outras leis constituindo-se assim um sistema de leis crescente em número e em complexidade. Qualquer lei física é o efeito de uma lei causal que por sua vez  é causa de outras leis.

           

O número  de leis  não tem caráter aleatório, ele obedece ao princípio trino, portanto, dentro da Creação as leis e, conseqüentemente, os graus de dificuldades, assim como as possibilidades de erros e de desobediências,  começam por 3 que vão se duplicando até o máximo de 96 leis. [4]

           

Agora queremos fazer um ligeiro comentário sobre um item que a ciência oficial nos últimos decênios vem falando muito. Tratam-se dos “buracos negros”. São estruturas com massa de tão elevada densidade que tudo o que lá chegar  é totalmente esmagado tornando-se uma “singularidade física”. Até recentemente era aceito pela ciência oficial que a matéria era “esmagada”, ou mesmo, aniquilada como tal nos “buracos negros”, mas voltando a emergir sob a forma de energia em um outro ponto do Universo e em um outro tempo através dos  chamados “buracos brancos” ou “quasares”; pontos onde há um jorro colossal de energia fluindo para dentro do Universo. Diz a ciência que entre um “buraco negro” e um “buraco branco” existiria  um trajeto denominado “caminho de minhoca” (  “apelido” dado pelos cosmologistas e físicos).

           

Podemos dizer que, de certa forma, isso se aproxima da realidade, exceto no que diz respeito ao “caminho de minhoca”, pois aquilo que sai do Universo não emerge diretamente num outro ponto do Universo. Imerge para se reintegrar àquilo que em vários temas temos denominado “Oceano de MA”, ou seja, volta ao estado de imanifestabilidade denominado NADA.

           

NO NADA HÁ TUDO AQUILO QUE JÁ FOI E QUE VOLTARÁ A SER, MAS NELE COISA ALGUMA FOI E NEM SERÁ, SIMPLESMENTE É. NÃO FOI E NEM SERÁ CAUSA E NEM  EFEITO, SIMPLESMENTE É O QUE É.

 

 

[1]Tratam-se dos três véus da criação, que estão entre o NADA e a Criação, portanto que se situam  ainda fora da  “ Árvore da Vida”.

[2]Somente a partir  do nível da criação é que ocorre manifestação trina. No NADA  não existe lei alguma em ação, somente em potencial. Com a  criação, RA agindo sobre   MA pelo QUERER da MENTE CÓSMICA forma-se uma Trindade, mas nesse nível já não é exatamente o NADA, já  ESTÁ havendo uma ação. É uma “trindade imanifesta”, somente  com a criação é que o imanifesto se torna manifesto, portanto, somente a partir de Kether é que há manifestação da lei da trindade, quando tudo vem a ser trino em manifestação.

[3]- Não  diz respeito a mundo no sentido material, mundos paralelos ou coisas assim. Por isso é melhor usar a denominação de “planos”

[4] - Uma lei é inerente a EN SOF, duas a EN SOF EOR e três a KETHER.