Hierarquias da Expressões de Consciência

“Os grandes Mestres estão sempre à
Procura daqueles que podem obedecer
Rapidamente à voz interior de sua alma”.

Hierarquias da Expressões de Consciência

Quando a pessoa começa a tomar conhecimento da existência de diversas hierarquias de formas de consciência dos planos da sequência sétupla, citadas como Elementais, Fadas, Gnomos, Elfos, Silfos, Salamandras, Devas, Anjos, Arcanjos, Querubins, etc., via de regra a pessoa defronta-se com dificuldades quando tenta situar aquela imensa quantidade de seres. Já vimos um desses mundos, o mundo dos elementais e mostramos alguns subgrupos. Dissemos que eles podem ser classificados como formas de consciência sem discernimento próprio e ligados os 5 elementos da natureza.

Agora já surge um primeiro ponto a ser esclarecido. O mundo dos Elementais na sequência sétupla no sentido ascendente ocupa o segundo nível ou o primeiro? - Alguns consideram-no como segundo e outros como primeiro. Os que consideram com primeiro baseiam-se no fato de que o mundo material com os seres encarnados é a meta de atuação dos outros seres. Todos os seres citados são os elementos atuantes, enquanto que os seres encarnados são a meta. Assim a meta não deve ser considerada na classificação.

CLASSIFICAÇÃO A
1 Mundo dos Seres Biológicos
2 Mundo dos Elementais
3 Mundo dos Devas
4 Mundo dos Anjos
5 Mundo dos Arcanjos
6 Mundo dos Querubins
7 Mundo Divino.

CLASSIFICAÇÃO B
1 Mundo dos Elementais
2 Mundo dos Devas ( Grupo A )
3 Mundo dos Devas ( Grupo B )
4 Mundo dos Devas ( Grupo C )
5 Mundo dos Anjos
6 Mundo dos Arcanjos
7 Mundo dos Querubins.

Essa divergência resulta do seguinte: A classificação A inclui também no esquema a Consciência Divina e a dos seres biológicos, enquanto isto não acontece com referência à classificação B, desde que ela é uma classificação dos seres intermediários apenas, das expressões de consciência que fazem a ligação entre a fonte e o destino. Neste caso é mencionado que existem sete planos intermediários entre A Consciência UNA e os seres do mundo material. (A classificação B baseia-se na Arvore da Vida) . Na realidade não existe discrepância entre as duas classificações desde que cada plano se subdivide em muitos subplanos e é um tanto difícil se dizer onde termina um e começa o outro. Seja qual for o esquema preferido o resultado prático é o mesmo.

Vamos usar em nossas palestras o esquema B por ser mais fiel à “Arvore da Vida” permitindo, se necessário incluir a consciência dos seres biológicos, (nível de manifestação) como Malkut e a Consciência Divina (nível de emanação) como Kether, perfazendo 9 e ainda o Mundo dos Avatares que muitos estudiosos consideram os 10 Sephirat.

De início queremos dizer que o problema de falta de sistematização na classificação das formas de consciência depende de cada autor classificar a seu próprio modo. Sabe-se que são sete níveis, mas isto não é tudo pois alguns incluem como o nível mais inferior o mundo material e os seres encarnados. Neste caso, em sentido ascendente deve ser incluído o plano terreno e ele deve ser contado como o primeiro. Mas queremos dizer que, se o objetivo for classificar níveis de consciências atuantes sobre o mundo denso este efetivamente não deve ser incluído pois ele é apenas o campo de atuação para fazer o mundo existir e funcionar. Neste caso não se considera o mundo material como um mundo de expressões de consciência atuantes e sim sobre o qual elas atuam.

Consciência Cósmica → Expressões de Consciência → Mundo Material
SETE NÍVEIS

Já vimos o Primeiro Nível, o Mundo dos Elementais, e estudamos algumas características que podem defini-los. Embora formas de consciência eles não tem discernimento próprio, definido. Na medida em que prosseguirmos nestas palestras vamos definindo condições, qualidades que podem servir de bases de classificação.

Acima do Mundo dos Elementais situam-se os três Planos Dévicos. Existem diferenciações marcantes que permitem dividir os Devas em três categorias. Como veremos depois.

Acima do terceiro nível dévico muitos místicos colocam os Avatares e acima destes os Anjos, Arcanjos e Querubins.

Segundo o Tibetano, e algumas doutrinas indianas, é bem grande o número de Devas, cerca de 333 MILHÕES distribuídos em 33 grupos.

No grego aggelos, quer dizer mensageiro (intermediário), Devas vem da raiz div (brilhar) Habitam 3 planos acima de nos segundo o Tibetano chegam a l4 bilhões e junto com os elementais perfazem 333.000.000

No Oriente as doutrinas aceitam plenamente a existência das Hierarquias de níveis de consciências no universo em expressões que não correspondem à do ser humano. Por outro lado, as religiões ocidentais são mais restritivas embora alguns pensadores falem delas e mesmo na Bíblia haja muitas menções a Anjos e mesmo Arcanjos e Querubins.

São Paulo diz: Pela fé entendemos que os mundos, pela palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente.” -Hebreus, 11-33.

“A matéria é viva; ela vê, ouve, sente, e se recorda. Ela é inteligente. A inteligência da matéria é sempre atribuída pela luz”. Palavras do Mestre Philippe de Lyon.

“A rocha mais dura, os minerais enterrados nas entranhas da terra são vivos. Quando utilizamos um pedaço de pedra para trabalhar dizemos: Isso é pedra não está sofrendo porque não conseguimos perceber nada. Mas, ela sofre, e, se tivéssemos condições de entender esse sofrimento, poderíamos copara-lo ao nosso”. Mestre Philippe de Lyon

“A matéria também sofre devido à separação. Quando o mineiro utiliza picareta ou dinamite para quebrar a rocha, esta experimenta todas as dores advindas. De certa forma a rocha, segue em sua existência todas as fases que nós mesmo atravessamos na nossa”. Mestre Philippe de Lyon.

Os seres dos diferentes planos têm muitas peculiaridades que permitem o estabelecimento de diversos modos de classificação. Já nos referimos à relação dos Elementais com os sons, assim também podemos dizer que os Devas estão relacionados com as cores. No mundo dévico há uma gama imensa de tonalidades de todas as cores.

Em todos os planos existe uma réplica de tudo quanto há no mundo material, porém essas réplicas vão deixando de ter formas até chegar um nível que a forma passa a ser apenas um modelo de informação, um modelo arquetípico de tudo quanto existe, embora que aqueles modelos tenham características diferente de plano para plano. O som, por exemplo, está presente em todas as formas, assim mesmo um som em determinados planos não seria detectado como tal pelo ouvido humano. Em cada mundo prevalece uma determinada sensação embora as demais estejam presente em menor grau.

No mundo material prevalece a forma; no mundo Elemental, o som; no dévico a cor; mas isto não quer dizer que no mundo dévico inexista som. Mesmo no que diz respeito a forma somente nos 4 níveis inferiores rupa (incluindo o mundo material onde ela é predominante) existem formas, mas nos níveis superiores arupa, embora não se manifestem, elas também estão presentes mesmo que em potencial, como informação arquetípica.

Há uma correlação entre cada plano com um metal, com uma cor, com uma forma, com um metal, com um planeta, com uma pedra preciosa, e assim por diante. Sendo assim podemos dizer que, tal como existem sete cores divinas também existem os sete metais divinos (sagrados) etc.

Na realidade um Devas, por ter discernimento num grau bem mais alto que aquele inerente ao comum das pessoas humanas, não se presta a servir ao homem num sentido negativo. Na realidade os Devas são a força mas sim uma consciente presente nela. São conhecedores do como operar as leis cósmicas para determinados fins, eles sabem quais as leis e princípios envolvidos e de como aciona-las. Esse conhecimento é próprio dos Devas de outras expressões de consciência de nível ainda mais elevado, mas que podem ser conhecidos também por uma pessoa comum. Acionado a lei ela se cumpre, uma lei é cega, ela age sempre que as condições sejam estabelecidas, quer seja por um Arcanjo, por um Anjo, por um Devas, por um Elemental ou por uma pessoa. O que faz a diferença é o nível de conhecimento apenas, isto é, s uma pessoa vier a ter conhecimentos do nível dévico ela com certeza fará tudo aquilo que um Devas pode fazer.

Na história da terra sempre existiram os “segredos traídos” quer no nível do mundo denso, quer entre diferentes panos da criação. Na Bíblia estão descritas algumas delas, sendo amais conhecia aquela que diz haver uma serpente induzido Eva a comer do fruto da Árvore do Conhecimento para se tornar detentora do conhecimento e ser Igual a Deus . A História da Alquimia também conta que os Filhos dos Deuses revelaram os segredos da Arte Sagrada às filhas dos Homens. Dalila através de suas artes conseguiu descobrir o grande segredo de Sansão.